Desde que a última pedra da sepultura selou para sempre a partida do vô Gentil, eu tenho pensado incessantemente no que dizer por aqui. Já pensei em homenageá-lo com palavras bonitas e passar a imagem do neto forte e resignado com a morte de um ente querido. Depois, pensei em ser sucinto com as palavras e apenas comunicar esse fato triste que ocorreu no sábado.
Porém, a grande verdade é que, após soltar a alça daquele caixão que passei o dia observando, descobri que minhas impressões sobre a vida nunca passaram de uma retumbante mentira. Meus conceitos de felicidade contavam com a possibilidade de uma perda, mas não estavam preparados para enfrentar a dura realidade: viver não passa de uma brincadeira sem-graça.
Deus, em Sua magnitude, resolveu bancar o piadista ao inventar a morte. E, nesse momento, pouco importa se meu avô descansou, afinal de contas, ele está morto e isso não vai mudar. Importa é que agora nós ficamos aqui, órfãos, sem a presença de alguém que fazia parte do sentido da minha vida. Sendo assim, minha existência agora passa a ter um sentido manco, obtuso, disforme.
Tudo continua, todos continuam. Grande coisa. Continuar até quando? Até meu telefone tocar novamente anunciando mais uma perda? Mostrando que toda a dedicação que tenho com meus familiares não passa de uma contagem regressiva, que invariavelmente me colocará diante de um caixão por diversas vezes, até chegar a minha vez? Afinal de contas, que raio de vida de lembranças é essa que somos obrigados a viver?
Não me conformo, nunca vou aceitar isso. Foda-se tudo o que já li sobre luto, danem-se psicólogos, médicos, psiquiatras, padres, toda essa gente que tenta interpretar a impiedade da morte. Hoje fui trabalhar novamente, amanhã vou jogar bola outra vez, no fim do mês tem carnaval e em setembro eu faço aniversário, como em todos os anos. Sim, tudo segue do mesmo jeito, aparentemente nada muda.
Contudo, como essa droga de vida é alicerçada nas aparências e nas lembranças do que já foi vivido, tudo parecerá normal para todo mundo, aquele velho papo furado de que a vida é assim mesmo e continua. Sorte a de quem pensa assim e consegue ser feliz, pois, desde sábado, passei a carregar dentro do coração uma clava que dói sem cessar, a falta de um homem que dava sentido à minha vida e que levou consigo uma parte do meu sorriso.

Tudo continua, é verdade, mas de maneira incompleta.

E, quanto ao meu avô, seja lá para que lugar tenha ido sua alma, já lhe pedi em pensamentos que diga a Deus que, mesmo sendo quem é, Ele cometeu um grave erro ao inventar a morte. Teimoso como era o Seu Gentil, essa discussão tem uma eternidade pra durar.

10 comentários:

  1. [Sem palavras necessárias...]

    :/

    :***

    ResponderExcluir
  2. No enterro da minha avó, me disseram uma frase que nunca esquecerei, que "a saudade varia com o tamanho do amor". E é por isso que minha saudade por ela não vai acabar nunca, assim como a tua, pois sei o quanto ele é (pois será sempre) importante pra tu.

    E, pra falar a verdade, a vida segue seu curso, mas não da mesma forma... E, acostumar não é tão simples como dizem (desculpa. mas é verdade)...

    Meu amigo, queria poder te dar um abraço forte, pois tu és muito especial pra mim.

    Fica bem, tá? Porque, nessas horas, só Deus pra nos dar forças...

    Um abraço apertado, de uma amiga que mora longe, mas que te tem no coração!

    ResponderExcluir
  3. Querido Antônio!

    Como sinto pela sua perda. (...)
    É impossível não notar o quão amor dedicas aos teus familiares, o carinho que sempre demonstrou com teus avôs.

    Sabe, independente de qualquer coisa que seja dita aqui, a saudade vai continuar e seria muito atrevimento acharmos que é possível cessar com a dor que gera tudo isso.

    Sempre dizemos que a única certeza que temos é a morte. Que isso nos leve a amar mais, a nos dedicar mais, a cuidar dos queridos sempre mais.

    Tenho certeza de que guardarás sempre milhares de lindas recordações com teu avô querido.

    Não te revolta, acredita que ele está bem e com certeza é assim que quer te ver também.

    Estou agora em outro Estado e não posso te dar um abraço, mas sinta-se então abraçado com todo carinho que tenho por você.

    Tua amiga, Andi

    ResponderExcluir
  4. Bá, cara, eu nunca pensei que alguma coisa desse tipo estivesse acontecendo na tua família. Se soubesse, não poderia ter feito muita coisa pra ajudar, mas enfim, poderia ter ajudado com palavras amigas.
    Se precisar de qualquer coisa, tem o meu número, e a certeza de que pode contar comigo.

    E quanto ao sentido da vida, não é uma coisa que alguém conheça. Eu muito menos. Só sei que os momentos que as pessoas passam umas coisas com as outras provocam muito mais alegria do que a morte provoca tristeza. Não é por que agora as lembranças parecem tão distantes da realidade que elas são menos do que eram quando estavam acontecendo.

    Força para que tu supere a perda, irmão.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  5. Não posso te dizer nada que te conforte e nem quero te confortar. Só o tempo é capaz de minimizar a dor.
    A saudade tem que ser eterna. Pois só quem realmente faz bem é que deixa saudade.
    Te adoro, meu guri.
    Conta comigo sempre.
    Beijinhos no teu coração.

    ResponderExcluir
  6. A saudade não acaba, mas a vida não termina. O corpo para, contudo a alma continua. Pense que um certo dia tu retornará a vê-lo, até lá, pense só nos bons momentos e no que este individuo ti ensinou. Ore para ele que estar sempre ao seu lado ti cuidando, ti amando e abençoando.

    ResponderExcluir
  7. Mestre,

    A vida de fato tem suas ironias. E talvez a morte seja a maior delas. Não podemos desfazê-la, nem evitá-la. Pelo menos sabemos que não se trata de um fim...

    Se quiser dividir esse momento de dor tomando umas cuicas e cantando umas milongas, lembra-te do amigo aqui! As vezes quando faltam palavras ou explicações, procurar uns versos pode ser uma boa saída. Quando li o post, lembrei de Luiz Marenco: Onde Andará.

    "...
    Por onde andará o semblante de um avô maragato
    Que eternizou seu silêncio na moldura de um retrato
    E dos seus causos antigos desses campeiros de fato

    Quem sabe andam perdidas na saudade dos avós
    Ou presas dentro do peito querendo saltar na voz
    Mas bem certo elas se acham guardadas dentro de nós

    Onde andará, onde andará dentro de nós"

    Abraço

    ResponderExcluir
  8. Que o tempo possa lhe ajudar a conviver com essa dor.
    Ficarei daqui torcendo para que Deus esteja abençoando você e sua família nesse momento tão difícil.
    Bjitos!

    ResponderExcluir
  9. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  10. O vozinho se foi, Tonho?! Poxa, que hora triste eu escolhi pra aparecer... ontem foi aniversário do meu avô, e ele morreu há 20 anos. Todos os anos eu vou cemitério, ele foi a pessoa mais importante da minha vida, mesmo eu só tendo convivido com ele por quase dois anos.
    Eu entendo bem o que tu sente, e sinto por vc e com vc. Espero que a sua ferida se feche logo. A cicatriz fica, a gente sabe, mas desejo que vc seja confortado.
    PAz e força, viu?
    Te adoro.
    Saudades.

    ResponderExcluir

<< >>