O Guampa

Ninguém percebeu a presença do novo funcionário da repartição. Cardoso, cara quieto, veio de outro estado, lá do Norte, ou Nordeste, vá saber. Não se misturava, e ninguém fez questão de dar-lhe as boas-vindas. Na correria do serviço, acabou deixado de lado.
Foi na primeira janta do ano que todos souberam quem ele era. Eis que entra o Cardoso, mirradinho, acompanhado de uma loira exuberante. Aquilo não era uma mulher, não podia ser. Era a manifestação mais pura e concreta do amor de Deus pela testosterona. Entre engasgados e apopléticos, os demais balbuciaram um "boa-noite" ao Cardoso, enquanto que à loira apenas faziam uma reverência, como quem recebe uma rainha.
Passada a janta, o Cardoso ficou amigo da galera. Tapinha nas costas, cafezinho fresco, mil paparicos.

- Boa gente esse Cardoso - diziam.

Ele, por sua vez, procurava manter a postura profissional. Conhecia pouco dos costumes e, por não se esforçar em aprender, permanecia apenas agradecendo com sorrisos tímidos a cordialidade dos colegas.
Um dia, ao chegar na repartição, foi surpreendido por um efusivo cumprimento do Almeida, colega de mesa:

- Fala, guampa!

Guampa? Que raios quer dizer isso? Todos riram e deram-lhe bom dia. "Só pode ser um elogio", pensou. E sorriu. Seu maior erro, talvez. Ficou taxado de Guampa de tal maneira, que nem mais lembravam do seu nome. Prova disso foi o mês em que foi escolhido como melhor funcionário. Quando leram "Agenor Demóstenes Cardoso - Funcionário do mês", todos ficaram alguns minutos confabulando sobre quem seria o vivente, até que ele chegou, tímido, passou no meio do bolinho e leu seu nome:

- Que legal, sou o funcionário do mês...
- Ah, mas é o Guampa! - berrou o Almeida, enquanto puxava uma caneta do bolso e escrevia "nosso querido Guampa" ao lado do nome do Cardoso.
- Parabéns, guampudo! - era o que diziam todos, entre risos e tapinhas nas costas.

Aquela história de apelido começou a intrigar o Cardoso. Era Guampa pra cá, guampudo pra lá, e cada dia os colegas mais sorridentes e receptivos. Devia estar trabalhando demais para não ver tantos motivos para brincadeiras. Resolveu não ficar até tarde no escritório aquele dia, sair para tomar uma cerveja, ir para casa e pedir uma pizza com a esposa. Sim, uma noite diferente.
No bar, escutou a conversa de dois rapazes animados, que discutiam a vida dos colegas de trabalho na happy hour:

- O chefe tá mesmo virado num touro, só saco e guampa! - e caíram na gargalhada.

Foi um estalo, um aviso dos céus. Pegou a pasta, correu para casa e deu de cara com o Almeida só de cueca, ocupando seu espaço na cama. Não disse uma palavra. Arrumou as malas, pediu demissão e instalou-se numa pensão da cidade vizinha.
Com o coração partido, contou a um colega de pensão, no café-da-manhã, o ocorrido. O apelido, os sorrisos, os tantos colegas que deviam ter ajudado a lhe render a taxa de guampudo. Atento ao relato, o colega adoçou o café, tomou um gole e filosofou:

- É, Cardoso, ninguém morre mocho...

Mocho? Não, de novo não. Nem arriscou a perguntar o significado de mais uma palavra nova. Saiu correndo para o quarto, pegou as malas e correu para o aeroporto. Nunca mais voltou para o Rio Grande do Sul, terra de dialetos sórdidos.

13 comentários:

  1. kkkkkkkkkkkkkkkkk
    e oq significa????

    hahaha
    vc tem que vir pro nordeste conhecer as expressões daqui...
    vou deixar uma pra vc:
    "rebola no mato".
    Sabe oq significa?
    hein? hein? hein?
    hehehehe


    Ah, qnt ao meu post...
    sei nem oq significa aquilo lá nao viu...
    a baboseira veio surgindo e eu escrevendo... tranqueira!
    ¬¬
    Mas escrevendo isso aqui pra vc me dei conta que tem a ver com meu momento... eu q não tinha percebido ainda
    O.o

    ;****

    ResponderExcluir
  2. uahuehuahueha
    o guampo eu ateh supus oq fosse.. mas esse mocho ae vc vai ter que me contar.. to com a pulga atras da orelha! auheuahuha
    acabei lendo seu carnaval todinho tbm, pq foi bem parecido com o meu, só q eu nao viajei e a cidade ficou vazia (deliciaaa!), praia td dia e desfiles na tv de noite.. auheahuha
    ateh q foi bem gostoso, peguei uma corzinha (sem ficar com cara de zebra) e curti do meu jeito msm..

    ResponderExcluir
  3. A catarinense aqui é de Brusque. Já ouviu falar? E tu, de que cidade?
    "Era a manifestação mais pura e concreta do amor de Deus pela testosterona." Muito bom, hahaha! Ri muito!
    Coitado do Cardoso guampudo! Adorei o texto, bom demais! Amo essas expressões e dialetos próprios. Um dia desses minha mãe ainda falou guampa. Acho que foi algo do tipo "cuidado, vai bater a guampa!" =P

    ResponderExcluir
  4. Antonio Augusto, eu cai no MSN e nao consigo mais conectar... posso te mandar um email falando o que diss que ia falar? Vou mandar nesse do MSN mesmo, ta? Vou mandar depos das 18h, acho q vc só vai ver amanhã...
    Mas não esquenta, é so bobeirinha!
    Ah, e pega teu selo la na Mulher Maravilha!
    Não li teu etxto ainda porque tenho que acabar o jornal e jajá vou pro outro trampo (lá não abre blog), mas assim que ler eu comento de novo!
    Vou comer um feijão doce agora! Blaarg, piadinha infame!
    Um beijo!

    ResponderExcluir
  5. hehehe

    eu sei o q significaaaaa

    ah, e aqui a gente tb tem cada expressãooo... cada palavra.... q vc ouve uma coisa e entende outra.

    =*

    ResponderExcluir
  6. Quando eu li "guampa", corri para o meu livro "A grosso modo - ditados e expressões", do V S Coelho, que fala das expressões gaúchas e, a primeira coisa que achei foi que "gampa" num é coisa boa de jeito nenhum...
    Mas adorei a estória, viu???
    Mas só uma coisa... faz toda a diferença se ele veio do Norte ou do Nordeste, viu???????????????

    Beijão pra tu

    ResponderExcluir
  7. ahahah mtoooooo boom Antonio!!
    esse Brasil é assim mesmo.. cada canto um dialeto diferente!
    mas eu fiquei com dó do Cardoso, coitado! tem é q voltar pro Nordeste, Norte.. sei lá!
    ;D

    beeijo

    ResponderExcluir
  8. Beeem, te linkei viu??

    haushuahsua
    visssh, pra sair assim precisa é de um dicionario linguistico do lugar.

    abushaushau

    ResponderExcluir
  9. Oieeee, olha só, só li esse teu post pq já tô indo dormir, mas achei hilárioooo.
    Nós falamos gauchês,e pouca gente entende mesmo...
    E o "capaz" que a gente diz, hahah, muito engraçado, ninguém sabe o que a gente quer dizer quando alguém conta uma coisa e a gaúcha aqui diz - capaz!
    Obrigada pelos elogios viu, mas pelo que vi vc tbém escreve muito bem. Amanhã leio teu blog todinho!!
    A propósito, de que cidade vc é?
    Bjão querido, vou te linkar no meu só pra lembrar de sempre passar aqui (e pra ter mais um gaúcho nos meus favoritos)
    bye...

    ResponderExcluir
  10. Bah, mano velho... e que dialeto...
    Pessoas de outros estados já me fizeram cara de "não entendi" ao me ouvirem dizer algumas expressões (e olha que, mesmo tendo contato com o lado "rural" da família, sempre fui criado na cidade...):
    - entrevero (falando de confusão e aglomeração de pessoas);
    - tranqueira (falando do trânsito);
    - bem capaz;
    - cusco (cão vira-lata);
    - deu pra ti (pra um estranho, pode até parecer uma conotação sexual, mas nós sabemos que não é nada disso...).

    E outras tantas expressões...
    E eu adoro todas elas, assim como os ditatos de campanha... Quem não conhece, obviamente não gosta, pois "quando o cavalo não é meu, eu não conheço bem os arreios..."

    Abraço e bom findi!

    ResponderExcluir
  11. Rio Grande parece outro país. Falam um brasileiro totalmente diferente do nosso.

    Tem prêmio pra ti lá no blog!
    beijos

    ResponderExcluir
  12. Ôpa, tô dentro!!! Valeu, meu amigo, por mais esse presente.
    Boa semana!

    ResponderExcluir
  13. I like use viagra, but this no good in my life, so viagra no good.

    ResponderExcluir

<< >>