Preguiça Poética (4)

Outra vez te encontro,
tu, que és meu afã!
Me arrebatas de pronto
ao despertar da manhã.

Destarte, de relancina,
me observas ganindo.
Carrasca que alucina,
seja acordado, ou dormindo.

Sem diferenças, um só
estado vegetativo,
abalroado sem dó,
amorcegado num livro.

Oh, biológica leseira,
basta desse banzé!
Adormeço na cadeira
e até mesmo de pé!

Voraz és tu, sacripanta,
que fazes de mim cão sem dono
pela cama que acalanta
este interminável sono.

17 comentários:

  1. Adorei esse poema!!!!
    E combina tanto comigo!!!!
    hehehehheheheheheheh

    Um beijão pra tu guri

    ResponderExcluir
  2. Seja acordado ou dormindo a gente lembra e pensa no que o coração quer!
    Beijo
    =)

    ResponderExcluir
  3. Preguiça Poética... hahah Boa!

    Nossa, faz muuuito tempo que não vejo ninguém usar essas palavras: banzé, sacripanta...

    Gostei!
    ;o)

    ResponderExcluir
  4. Mas nada supera o "ó ócio, me crias bócio", hehehe...

    Bom retorno ao nosso mundinho!

    Abraço, mano velho!

    ResponderExcluir
  5. Andei beeem sumida também. Comentários muito atrasados. Li o balanço do mês e isso me inspirou. Tudo o que preciso fazer é juntar toda a merda e transformar em adubo. Que julho sirva para eu fazer isso!
    Quanto à poesia... adorei! Até a preguiça tu consegues expor de maneira poética!
    Beijo!

    ResponderExcluir
  6. meee magine quando a preguiça da lugar a motivação...
    temo de hibernação pequeno heim, meu Deus..
    beijoss

    ResponderExcluir
  7. Ton,
    o teu poema tornou a preguiça mais bela... Tuas palavras são tao...

    ResponderExcluir
  8. esse interminável sono é cruel.
    bjs

    ResponderExcluir
  9. E mesmo com essa preguiça, produz coisas boas! Esse menino vale ouro, por isso tem mimo pra você... lógico!
    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Muito bom seu poema!!! Adorei.

    Adorei essa parte: "Voraz és tu, sacripanta, que fazes de mim cão sem dono pela cama que acalanta este interminável sono"

    Como disse a mocinha aí de cima, esse interminável sonho é cruel msm...

    BjO.

    ResponderExcluir
  11. Esta danada me persegue à beça. Mas a minha não poetiza.

    ResponderExcluir
  12. Preguiça. Conheço bem.

    Adorei.
    abçs.
    :)

    ResponderExcluir
  13. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Muito bom!!!

    "biológica leseira" amei, vou dizer isso a minha mãe.

    Bjo

    ResponderExcluir
  14. Uau!
    Me tirou o folêgo. hahaha

    ResponderExcluir
  15. Já fiz uma homenagem a Morpheu lá no blog... Essa preguiça, esse sono que nos acompanha tanto, que até merece post nosso. hihihi
    bjitos!

    ResponderExcluir
  16. Bah, esses frios que fazem e ter que acordar de manhã cedo. Aquele frio e neblina. Bah, continuar na companhia do sono é tri.

    MARAVILHOSO POEMA!!!


    Abs

    Ah, esse poema combina mesmo com a Kari. **risos**

    Marcos Seiter

    ResponderExcluir

<< >>