Cumulus Nimbus

“Eu que não fumo, queria um cigarro
Eu que não amo você
Envelheci dez anos ou mais
Nesse último mês...”

(Eu que não amo você – Engenheiros do Hawaai)



Comecei a fumar. Resolvi, do nada, acender um cigarro. Havia alguém ao meu lado baforando nicotina fétida, fazendo biquinho ao soltar a fumaça para o alto, quando perguntei sobre qual o real sentido daquele gesto em sua vida. Respondeu-me que, enquanto traga um cigarro, consegue desligar-se do mundo real por alguns instantes e, consequentemente, esquecer dos problemas momentaneamente.
Franzi o cenho, cocei a nuca e arrisquei. Tomei o palitinho entre os dedos, empunhei o isqueiro, semicerrei os olhos e traguei. Após tossir por mais de dez minutos ininterruptamente, decidi que não deveria desistir assim tão fácil e tentei outra vez. O primeiro cigarro já havia sido devorado pelo vizinho, então filei outro. Com mais cautela, acendi. Enchi a boca de fumaça e, lentamente, joguei algumas golfadas para o meu pulmão virgem.
Dessa vez, tossi durante vinte minutos. "Não devo ter nascido para isso", pensei. Contudo, o Ministério da Saúde deu o azar de eu estar num dia excessivamente contumaz, o que me fez, na maior cara-de-pau, roubar o terceiro crivo e, quase que numa questão de honra, incendiar o pelintra.
Na terceira foi. A penumbra do local inebriou-se da primeira nuvem de fumaça segura que saiu da minha boca para contribuir com a derrocada do ecossistema. A partir daquela hora, tornei-me um viciado. Uni-me à porcentagem de brasileiros que vivem seus dias sem pensar no amanhã, levando a vida pouco a sério, já que não sairão vivos dela mesmo.
É estranho, devo confessar. Senti-me vestindo a camisa do Inter, uma vez que sempre fui antitabagista de cruz na testa, bradando aos quatro ventos os malefícios do fumo. Aliás, continuo não curtindo nem um pouco a fumaça, é fedorenta, mórbida e desnecessária. Mas, querem saber? Combina comigo.
E mais: por incrível que pareça, a sensação de tranquilidade é real. Quando consegui saborear o primeiro cigarro de fato, flutuei. Deve ter sido uma cena nada charmosa, já que sou todo desengonçado para as coisas glamourosas. Dane-se, deu vontade.
Por sinal, isso vai ao encontro dos pensamentos modernos, onde é cada vez mais fácil abrir a vida para novos horizontes ou, de repente, permitir que haja espaço para algo novo. N'alguns, entra fumaça. Noutros, vá saber, né? A verdade é que estou encurtando minha passagem por aqui em alguns anos, à medida em que acendi o segundo, o terceiro e o quarto. Após terminar por aqui, vou para a porta degustar o quinto, afinal de contas, a carteira está cheia.
E assim caminha a humanidade, sempre há uma novidade que surpreende, que choca ou que decepciona. Até mesmo quando você fica sabendo de algo e se recusa a acreditar, até que a própria vida venha e lhe prove que era tudo uma grande brincadeira de mau gosto.


“As pedras do caminho deixe para trás
Esqueça os mortos eles não levantam mais
O vagabundo esmola pela rua
Vestindo a mesma roupa que foi sua
Risque outro fósforo, outra vida, outra luz, outra cor
E não tem mais nada negro amor”

(Negro Amor – Engenheiros do Hawaai)

8 comentários:

  1. Eu, sinceramente, acho que é ficção.
    Se não for, aconselho a pensar muito. Porque fui vítima (e não viciada) dessa sensação por 10 anos. E não foi fácil mandar em mim de novo.
    Beijo, queridão.

    ResponderExcluir
  2. Espero fortemente que seja de fato uma brincadeira de mau gosto.

    Abraço, chaminé!

    ResponderExcluir
  3. Mano velho, espero que seja só a música dos Engenheiros...
    alías, Negro Amor é de outra pessoa... acho que é mais antigo.
    Tudo em paz?
    Abraço!

    ResponderExcluir
  4. Enquanto eu tô aqui parando você tá dai começando? Tsc, tsc, tsc. Pode parar moço!
    Bjitos!

    ResponderExcluir

<< >>