O BOTÃOZINHO

Pode parecer tolice, mas eu penso que, para ficar perfeito, o corpo humano necessitaria de apenas um mísero botão a mais. Sim, um botãozinho pequenino, porém de extrema importância. Sua função seria a de "desligar" a pessoa para sempre.
Eu sei que, à primeira vista, soa como uma filosofia suicida, mas vou tentar explicar melhor meu pensamento.
Um botão de desligamento daria outro sentido ao termo "morte", por exemplo. Cada pessoa poderia decidir a hora de partir desse mundo, sem dor, sem complicações. Sofreu um acidente, ficou paralítico? Aperta o botão, e pronto. Doença rara, incurável? O mesmo procedimento. E isso entre tantas outras situações.
É claro que, para um povo como o brasileiro, que adora viver (nunca vi gente que goste tanto de ficar velha), essa idéia é um tanto absurda, mas não considero-a uma heresia.
Eu, por exemplo, penso que minha vida será ótima se durar uns 55 anos, não mais do que isso. No entanto, caso nada de adverso ocorra e levando-se em conta que a expectativa de vida tende a aumentar, tudo indica que eu viverei mais do que isso. É aí que o botãozinho entraria: um simples clique, e pronto.
Imaginem as manchetes dos jornais: "Jovem aperta botão de três e mata família". No mínimo, curioso. "Botões são mais apertados nas favelas, confirma pesquisa". Ao invés de armas, o dedo seria a mais poderosa arma da humanidade. Um mero dedo indicador apontado seria uma ameaça. "Homem não-identificado tenta apertar o botão do presidente, mas é contido por seguranças".
Os velórios, então, seriam um algo. O cidadão decidiria apertar seu botão e, portanto, teria tempo para despedir-se dos parentes. "Alô, Gervásio? Cara, tô ligando pra avisar que vou apertar meu botão na semana que vem. Aparece no meu velório!". Com toda a galera reunida, os velórios se tornariam bem mais alegres. O indivíduo escolheria seu próprio caixão e o lugar para ser enterrado.
Melhores ainda seriam os velórios de pobre: "Nãããããão!!!!! Não vaaaai!!! Se tu apertar teu botão, eu aperto o meu e vou juntoooo!!!". Ou então: "Homem esbarra no próprio botão e morre acidentalmente".
Aliás, eis que fico pensando na localização do dito cujo. Boa pergunta, aonde ficaria o botãozinho? Sinceramente, não parei para pensar nisso, mas teria de ser um local seguro, a fim de evitar acidentes. Para alguns, esse texto pode parecer pura perda de tempo. Opinião de cada um. Prefiro chamar de criatividade de uma mente ociosa. Mas, que seria engraçado, isso seria...

0 comentários:

Postar um comentário

<< >>